Ansiedade: a inquietação diante de um futuro imaginário que nos impede de viver o aqui e agora

Nossos dias são compostos por 24 horas, tempo que podemos dividir entre nosso trabalho, cuidados para nossa saúde e bem-estar, lazer e descanso. É o suficiente? Para algumas pessoas não e a frase ‘não tenho tempo para nada’ é uma constante. E de onde surge a falta de tempo? Do olhar para o futuro, em detrimento do presente. Perde-se a oportunidade de viver o aqui e agora e sobra tempo para a expectativa de algo que ainda não existe.

 

Vivemos em uma sociedade que nos cobra a todo momento. A pressão por uma produtividade, muitas vezes inalcançável; o consumismo exagerado e desnecessário; a cultura do imediatismo e a quantidade de informações que recebemos, além da necessidade de estarmos sempre conectados, provocam angústia. Por outro lado, vivenciamos uma necessidade por aceitação, pertencimento e reconhecimento de quem somos de fato e do que criamos, o que acaba gerando medo, sentimento de inadequação e impotência. Qual o resultado disso para aqueles que não conseguem lidar com essas tensões? Inquietação e agitação fora do normal: a ansiedade, a fuga de um presente que aflige para viver um futuro imaginário.

 

Essa ansiedade, que aflige cerca de 18,6 milhões de brasileiros, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é muito diferente daquele frio na barriga diante de uma entrevista de emprego, uma prova de vestibular ou algum acontecimento novo em nossa vida. Ao contrário do medo, que, na medida certa, é necessário e uma reação a ameaças concretas, ela pode nos levar a antecipar um problema que, na verdade, só existe na nossa cabeça. Essa ansiedade sufoca e paralisa, nos impede de viver o presente e realizar atividades simples do nosso dia a dia. E quando ela chega a esse ponto é hora de ligar o alerta.

 

A ansiedade é um sentir solitário, mas suas consequências afetam todos a nossa volta. Fisicamente, a falta de ar, a insônia, a queda de cabelo e a obesidade são alguns dos efeitos. Como os distúrbios de ansiedade são provocados por uma desordem do sistema nervoso que libera grandes quantidades de hormônios como o cortisol, que está diretamente relacionado ao estresse, problemas digestivos e cardíacos também podem surgir, além de doenças psicossomáticas e, em casos mais graves, a evolução para um quadro de depressão. Na saúde emocional, a agressividade e a tristeza podem aparecer, em um processo reativo. O resultado desses efeitos não poderia ser outro: as relações interpessoais são detonadas e o isolamento acaba sendo inevitável.

 

Como melhorar e controlar a ansiedade e voltar a viver o presente? Respire fundo e busque ajuda. Diversas são as opções de tratamento para seu controle, a escolha vai depender do tipo de ansiedade e da preferência de quem busca apoio, podendo variar entre a psicoterapia e as terapias holísticas, ou a prática de ambas.

 

A busca por autoconhecimento, nesse momento, é primordial. Compreender e investigar os sentimentos e ações que podem ter desencadeado a ansiedade é o primeiro passo a ser tomado, o que pode ser feito através da psicoterapia. Será que a pressão sentida no trabalho, e que compromete a produtividade, pode ser reflexo de uma autocrítica destrutiva? O medo de viver o agora pode ser resultado de um trauma, como uma perda? Ou o que acontece ao seu redor gera uma preocupação excessiva e permanente que paralisa? A psicoterapia avaliará o tipo de transtorno e a necessidade ou não de medicalização, identificando a causa e enxergando-a por uma nova perspectiva.

 

As terapias holísticas, por sua vez, fazem uma análise do ansioso como um todo. Elas identificam crenças e contribuem para o equilíbrio físico, emocional e energético, promovendo o autocontrole e a autoconsciência. O Reiki, os Florais e o Ho’oponopono são alguns exemplos que podem ser utilizados no controle da ansiedade, assim como a meditação, que colabora para a capacidade de se concentrar no momento presente.

 

Mudar hábitos é outra ação que deve integrar a busca pelo controle da ansiedade. Isso envolve manter uma alimentação saudável, ter horas de sono suficientes para o descanso, praticar atividades físicas e, principalmente, ser compreensivo consigo. Precisamos aceitar que temos limites e que devemos enfrentar o que nos aflige para que possamos vivenciar o presente.

By | 2019-11-04T23:31:52-07:00 novembro 4th, 2019|Sem categoria|Comentários desativados em Ansiedade: a inquietação diante de um futuro imaginário que nos impede de viver o aqui e agora